Estou em Brasília para ver meu neto, filha e genro. Brincando com ele me veio uma reflexão. Neste mar de insanidade, medo e completa falta de bom senso, pois as pessoas estão enlouquecendo, me perguntei: será que realmente vamos resolver os problemas deste país nos degladiando para defender personagens caricatos, que de forma oportunista se dizem representantes de grupos (quase bélicos), os já desgastados comunistas e as chamadas “pessoas de bem” ?

Se fosse tão fácil assim resolver nossos problemas seria uma maravilha. Tenho 61 anos, e quem me conhece sabe que venho dedicando os últimos 15 anos da minha vida para a ajudar pessoas e ampliar a consciência humana, e para isso preciso estudar e me informar cotidianamente. Sinceramente não acho que o mundo é dividido entre os “comedores de criancinhas” como eram chamados os comunistas há décadas atras, e os que estão ao lado da família, de Deus e dos “bons costumes”.

Conheço pessoas dos 2 lados, e nos 2 lados existem pessoas que tem suas qualidades, defeitos e equívocos. Vejo nos dois lados pequenos corruptores do cotidiano, e que justificam seus pequenos delitos como “a vida é assim mesmo”, ou “as coisas no Brasil não funcionam”, e também vejo nos 2 lados pessoas amigas e solidárias.

Enquanto essa guerra estúpida acontece, e estúpida porque nenhum dos lados vai mudar de posição pois estão acuados no medo, olhei agora para o meu neto Pedro e vejo que ele não precisa de um país melhor, ele precisa fazer parte de uma população brasileira mais consciente, mais humana, menos condicionável, e, principalmente, mais justa e amorosa. Com isso minha tristeza diminuiu e me senti mais motivado a continuar, pois se de um lado problemas complexos demandam soluções complexas e tempo, de outro lado seus resultados são mais verdadeiros e efetivos.

Aprendi a aceitar criticas, mas não ligo mais a mínima para xingamentos rasos e comentários sem consistência. Estou em paz para continuar meu trabalho de orientador, palestrante e gerador de conteúdos que valorizem a vida, a convivência, o debate embasado e construtivo. Estou em paz pois minha luta não começou nestas eleicões, começou quando eu nasci. Seja qual lado ganhar, continuarei disponível a quem precisar da minha ajuda e orientação, e junto com outras pessoas e movimentos com este posicionamento, nos tornaremos ao longo do tempo uma sociedade mais consciente.

Daqui a alguns anos quando essa consciência estiver estabelecida no nosso cotidiano, poderei mostrar essa foto para o meu neto e dizer: “Acredite Pedro, neste tempo as pessoas acreditavam que um país era construído com políticos dissociados da realidade e pessoas levemente politizadas, e não por uma sociedade que respeitasse a diferença de opinião e vivesse a diversidade. Naquele tempo, Pedro, as pessoas não viam que os dois lados eram sustentados pelos mesmos interessados detentores do poder, que usavam essa polarização para distrair as pessoas da real causa dos problemas. Mas principalmente, meu neto, naquele tempo não se acreditava que é com a negociação, bom senso e educação que se constrói um país. Ainda bem que as coisas mudaram, e hoje você pode conviver com amigos que pensam diferente, a alternância de poder e não viver achando que nosso país pode virar uma Venezuela ou voltar à ditadura militar”.

Não sei se poderei dizer isso para ele no futuro, mas sei que vou continuar trabalhando arduamente e com muito amor e garra para tornar isso realidade. Não sou bonzinho, nem mauzinho, não sou conservador mas estou casado a 39 anos com a mesma mulher, e meus 2 filhos tem famílias estruturadas. Acredito na ética, honestidade e transparência. Meu trabalho é voltado a acolher pessoas, apoiar modelos sustentáveis, educar de forma ampla, manter as pessoas informadas por fatos embasados por contextos históricos, mas principalmente desenvolver o conceito de “convivência com relevância”, pois infelizmente hoje somos um grupo de pessoas facilmente induzidas ao conflito, somos commoditie vendida barata pelos pacotes de fake news.

Conheço muitas pessoas que estão alinhadas comigo nesta visão de mundo, e quem não estiver, ótimo, pois cada um tem seu tempo de despertar, e enxergar que atrás da nossa personalidade carente e assustada, somos uma alma sedenta de amor e acolhimento!!!

Tamu juntu e misturado!!!